sábado, 19 de novembro de 2011

E-Proinfo

Unidade 4 – Prática pedagógica e mídias digitais
Atividade 4.4: produzindo objetos em multimídia
Cursista:  Gildete dos Santos
UE: EMEF. “Armelinda Espúrio daSilva ” – Hortolândia – São Paulo





Vídeo: Chapeuzinho Vermelho


video

Vídeo criado para o trabalho de conclusão do  módulo 4 - curso  E-Proinfo.
Trabalho realizado pelas cursistas (professoras): Sônia Regina dos Santos e Gildete dos Santos,  da  EMEF. “Armelinda Espúrio da Silva” – Hortolândia – São Paulo.
A música utilizada é do cantor e compositor Braguinha (Carlos Alberto Ferreira Braga – 1907 – 2006).
O vídeo produzido é parte integrante do projeto Chapeuzinho Vermelho.



Projeto  Chapeuzinho Vermelho

Professoras:   Sônia Regina dos Santos  & Gildete dos  Santos
EU: EMEF.  “Armelinda Espúrio da Silva”
Disciplinas: Língua Portuguesa
Turmas:    ano  B e C  do Ensino Fundamental

JUSTIFICATIVA
         O trabalho com contos clássicos torna a aula mais atrativa, dinâmica e mais próxima da realidade dos alunos.
         Valoriza a língua  como  veículo  de  comunicação e expressão das pessoas e dos povos,  abrangendo  o  desenvolvimento  da  linguagem,  da leitura  e  da  escrita.

OBJETIVOS:
• Recuperar as histórias da primeira infância.
• Preparar a criança para a aprendizagem da leitura e da escrita, de maneira lúdica e criativa.
• Trabalhar com a narração, com o corpo e a gesticulação, entonação e preparação do espaço a ser utilizado pelas crianças, ampliando os vários sentidos da narrativa.
• Garantir ainda uma relação mais afetiva entre professores e alunos e facilitar uma melhor integração no ambiente escolar.
• Refletir sobre os princípios éticos, morais e culturais apresentados no vídeo, interligando-os com a realidade atual,  desenvolvendo  a habilidade da argumentação.
• Produzir textos diversos coletivamente (narrativos, descritivos, bilhete, receitas, anúncios,).
• Explorar a linguagem oral e escrita.


MATERIAL
Vídeos / filme:  Chapeuzinho Vermelho.
Televisão e vídeo.
CD da história Chapeuzinho Vermelho - Clássicos Inesquecíveis;
Livro paradidático: Chapeuzinho Vermelho (Coleção conta pra mim – série A).
Computador com internet.
Diversos  (sulfite, lápis de cor, giz de cera, cartolina,...).


TEMAS TRANSVERSAIS
ü Ética: Diálogo, respeito mútuo, responsabilidade, cooperação, organização, solidariedade. Trabalho coletivo, compartilhar descobertas.


PLURALIDADE  CULTURAL
ü  Educação: diferentes formas de transmissão de conhecimentos; práticas educativas e educadores nas diferentes culturas.
ü Cidadania: direitos e deveres individuais e coletivos.
ü Literatura e tradição: línguas, dialetos, variantes e variação lingüística.

 

DESENVOLVIMENTO

Introdução / Resumo

         O clássico inesquecível é uma narrativa infantil da história de uma menina que desobedece a sua mãe e sofre as conseqüências por esse motivo. O vídeo pode ser usado  para a comparação das versões da história e o estudo ambiente: clima paisagem, fauna, flora, cultura,  sociedade.  O enredo dessa narrativa traz reflexões sobre  o  comportamento  ético  e  moral do indivíduo no ambiente em que vive, na sociedade.



LÍNGUA PORTUGUESA

1) Apresentação do vídeo "Chapeuzinho Vermelho" (produzido no curso E - Proinfo pelas profª Sônia e Gildete), solicitando aos alunos que expressem o que sabem sobre a história.
2)  Apresentação dos livros utilizados (citados abaixo): capa, material, título, editora, ilustrações, edição, número de páginas, autor,  tradutor, ilustrador.
3) Leitura da  história toda e mostrar as figuras.
4) Ouvir o CD Clássicos Inesquecíveis.
5) Assistir ao filme “Deu a Louca na Chapeuzinho Vermelho”
6) Interpretação oral: os alunos contam a história, identificam os personagens, o tempo, o espaço que acontece a história (Onde? Quando?).
7)  Apresentação de  diferentes obras de diversos autores.
8) Comparação das versões (do livro / CD).
9) Identificação e reflexão das atitudes apresentadas e realçadas na história, de maneira contextualizada.
10) Reproduzir  a versão da história mais conhecida oralmente.
11) Pesquisa na internet   outras versões da história,  e a biografia do autor.
12) Releitura de uma versão da história,  escolhida  pela turma,  e transposição do texto (no caderno)  em forma teatral.
13) Produção de textos diversos (narrativo, descritivo, de opinião, bilhetes,  manchetes, notícia,  convites, panfletos,  ...),  por exemplo:  Escolher uma versão  e recontar a história  como se o narrador  fosse o lobo;  produção de panfletos divulgando o teatro que será apresentado pelo grupo de alunos.
14)  Realização de atividades de exploração lingüística:  u/l intercalados; emprego do s/z; encontros vocálicos, consonantais;  dígrafos; verbos regulares e irregulares.
15)  Apresentação do teatro.


Livros utilizados:

Coleção conta pra mim – série A. ilustrações Manuel Victor de Azevedo Filho, Mario Couto Pito; tradução Maria Cimolino, Grazia Parodi. São Paulo: Ridel, 1993.

Chapeuzinho Vermelho – Maria Heloisa Penteado.  Ática,  2000.

CHAPEUZINHO VERMELHO – CIA DAS LETRINHAS. Charles Perrault. Rosa F D’Aguiar (ilust.). Companhia das Letras, 2007.



Sites sugestivos para o desenvolvimento das atividades pedagógicas:

História  da chapeuzinho com fundo do filme "deu a louca na chapeuzinho".

Apresenta a letra da música  "Chapeuzinho Vermelho" (Braguinha).


Apresenta a história de Chapeuzinho Vermelho e  curiosidades sabe os Irmãos Grimm.

Deu a Louca na Chapeuzinho Vermelho – Dublado.  Animação que faz uma sátira da clássica história da garotinha conhecida como Chapeuzinho Vermelho. A história começa pelo final.  Nessa versão os  policiais do reino animal investigam a casa da vovozinha, uma garota, um lobo e um machado suspeito.  As  acusações são várias: invasão de domicílio, distúrbio da paz, intenção de comer e carregar um machado sem permissão.






AVALIAÇÃO:
            Os alunos serão avaliados no envolvimento e responsabilidade  na realização das  atividades  propostas,  bem como no desenvolvimento  das habilidades e competências utilizadas nas atividades de expressões escritas e orais.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

PARA REFLETIR


 A SOMA DOS TALENTOS


SE  A  NOTA  DISSESSE:
“NÃO  É  UM A NOTA  QUE  FAZ  UMA  MÚSICA.”
… NÃO  HAVERIA  SINFONIA.
SE  A  PALAVRA  DISSESSE:
“NÃO  É  UMA  PALAVRA  QUE  PODE  FAZER  UMA  PÁGINA.”
… NÃO  HAVERIA  LIVRO.
SE  A  PEDRA  DISSESSE:
“NÃO  É  UMA  PEDRA  QUE  PODE  MONTAR  UMA  PAREDE.”
…NÃO  HAVERIA  CASA.
SE  A  GOTA  DISSESSE:
“NÃO  É  UMA  GOTA  DE  ÁGUA  QUE  FAZ  O  RIO.”
…NÃO  HAVERIA  O  OCEANO.
SE  O  GRÃO  DE  TRIGO  DISSESSE:
“NÃO  É  O  GRÃO  QUE  PODE  SEMEAR  O  CAMPO.”
…NÃO  HAVERIA  COLHEITA.
SE  O  HOMEM  DISSESSE:
“NÃO  É  UM  GESTO  DE  AMOR  QUE  PODE  SALVAR   A   HUMANIDADE.”
JAMAIS  HAVERIA  JUSTIÇA  E  PAZ,  DIGNIDADE  E  FELICIDADE  NA  TERRA  DOS  HOMENS.
COMO  A  SINFONIA  PRECISA  DE  CADA  NOTA,
COMO  O LIVRO  PRECISA  DE  CADA   PALAVRA,
COMO  A  CASA  PRECISA  DE  CADA  PEDRA,
COMO  A  COLHEITA  PRECISA  DE  CADA  GRÃO  DE  TRIGO,
A  HUMANIDADE  INTEIRA  PRECISA  DE   TI,
ONDE   ESTIVERES,  ÚNICO   E,  PORTANTO,  INSUBSTITUÍVEL.
COMO   O   FUTURO   DO   NOSSO   PAÍS,   PRECISA   DA   EDUCAÇÃO,
A   FAMÍLIA   E   ESCOLA   PRECISAM   ESTAR   JUNTAS,   PARA
COMPARTILHAREM   A   ALEGRIA   DO   SUCESSO.

OBRIGADO  POR  ESTAREM  CONOSCO,  SOMANDO  TALENTOS,  MULTIPLICANDO  SORRISOS, COMPARTILHANDO   ALEGRIAS.





Autor




Viajar pela leitura

Viajar pela leitura
sem rumo, sem intenção.
Só para viver a aventura
que é ter um livro nas mãos.
É uma pena que só saiba disso
quem gosta de ler.
Experimente!
Assim sem compromisso,
você vai me entender.
Mergulhe de cabeça
na imaginação!












LEITURA: ESSÊNCIA  DA  SABEDORIA


A  LEITURA  NOS  FAZ  VIAJAR
POR  LUGARES  NUNCA  VISTOS,
POR  TERRAS  DESCONHECIDAS,
POR  LUGARES  TÃO  BONITOS
QUE  TRANSFORMA  NOSSAS  MENTES,
DEIXANDO-NOS  MAIS  ERUDITOS.


 
A   LEITURA  FAZ  A  GENTE
SE  SENTIR  MAIS  IMPORTANTE.
A  LEITURA  É  COISA  FINA,
A  LEITURA  É  DIAMANTE
QUE   LAPIDA   A   NOSSA   MENTE,
E  NOS  TRANSFORMANDO  EM  GIGANTE.

 
A  LEITURA  É  UM  PRAZER
QUE  ENCANTA E  QUE  TRANSFORMA.
O  SER  HUMANO  QUE  LER
VIRA  CONTADOR  DE  HISTÓRIA,
FICA  MAIS  INTELIGENTE
E  MUITO  MAIS  CHEIO  DE  GLÓRIA.


A   LEITURA  É  UMA  VIAGEM
POR  MUNDOS  QUE  NÃO  VIVEMOS,
POR LUGARES REAIS OU FICTÍCIOS
OS QUAIS NÓS DESCOBRIREMOS.
ESSÊNCIA DA SABEDORIA,
COM ELA NÓS APRENDEMOS.

 
SEM LEITURA  O  SER  HUMANO
É  CHAMADO  ANALFABETO.
NÃO  CONSEGUE  ENTENDER  NADA,
NEM  O  QUE  LHE  ESTÁ  MAIS  PERTO.
POR ISSO,  MEU  CARO  AMIGO,
LEIA  MAIS!  SEJA  ESPERTO!

sábado, 5 de novembro de 2011

E-Proinfo

Atividade 4.2: navegando por vídeos e outras mídias      
CURSISTA: Gildete dos Santos
EMEF. “A rmelinda Espúrio da Silva”


         No exercício “navegando por vídeos e outras mídias” acessei vários links interessantes. Selecionei alguns que podem enriquecer a prática pedagógica,  os quais encontram-se  descritos abaixo.
 http://natalportalprofessor.wordpress.com/conteudos-multimidia,   
Pode-se acessar  sites, vídeos, softwares e arquivos de áudio sobre o Natal. Pode-se trabalhar com o nível infantil e  fundamental.
http://proclamacaorepublicaportal.wordpress.com/
 Apresenta resumo da história e vídeo sobre a Proclamação da República. Dá para trabalhar com o 5º ano.
http://ucaportaldoprofessor.wordpress.com/sugestoes-de-aulas/
Você pode acessar diversas aulas elaboradas por professores cujas escolas possuem o UCA e também aulas sobre outros temas interessantes. Os conteúdos estão organizados de acordo com os níveis de ensino, desde a Educação Infantil até a Educação de Jovens e Adultos.
Um peixe, um sorriso” é uma curta metragem adaptado de um livro de Jimmy Liao, reconhecido artista taiwandês, que foi premiado no 56º Festival Internacional de Filmes de Berlim (Alemanha, 2007).  As legendas do filme estão em taiwandês e o título em português é uma tradução livre.  Pode-se  explorar a experimentação, a sensibilidade e a intuição para traduzir, em narrativa oral ou escrita, um filme originalmente produzido em linguagem não verbal, criar uma narrativa oral utilizando recursos de vídeo e áudio disponíveis em computadores.
   
s gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventore
E-Proinfo
Atividade 4.3: leitura, reflexão e discussão sobre mídia-educação

 Cursista: Gildete dos Santos
EMEF. “A rmelinda Espúrio da Silva”



         A leitura feita ao texto de Silvio P. Costa “Mídias-Educação no contexto escolar; Mapeamento crítico dos trabalhos realizados nas escolas de Florianópolis  conduz a reflexão de  questões que se fazem presente em nosso contexto educacional,  no que diz respeito ao uso das mídias. Um ponto citado pelo autor (p. 202) que considera-se  relevante para repensarmos a prática escolar como via ao uso das mídias como educação é quando este diz que “não há mídia que não possa ser usada na escola.  Entende-se que os professores devem adequar  a prática pedagógica integrando as mídias.  É fundamental a integração de  diferentes recursos, como por exemplo: texto escrito, comunicação oral, a escrita, hipertextual e multimídia. É preciso reconhecer o potencial do audiovisual no proceso  ensino apredizagem.
         Vivemos numa sociedade onde a cada segundo, milhares de informações são oferecidas diariamente aos nossos jovens e crianças,  configurando uma nova visão cultural na qual dimensões geográficas, línguas estrangeiras e encontros com diversos tipos de objetos (Vídeo,  rádio, jornal e internet, celular, etc.) não se tornam empecilhos para comunicação, exercendo assim, influência constante sobre os saberes dessa nova geração.   Constatando esta influência como problemática, torna-se função da escola buscar novas estratégias e novos olhares para tal prática, atendendo as demandas futuras, tendo de crescer em número e em complexidade, “incorporando” relevância que possam ter significância no cotidiano dos educandos.
         É sabido que estimular o desenvolvimento intelectual na análise, raciocínio e solução de problemas, apoiados em ambientes e ferramentas de colaboração;  possibilitar ao educando o desenvolvimento de sua capacidade de aprender a aprender, estimulando a sua autonomia através de projetos temáticos, multidisciplinares e interdisciplinares fundamentados no aprender fazendo, experimentando, criando, investigando, num processo conjunto de coautoria com os seus pares;  desenvolver a capacidade para utilizar a tecnologia por meio de uma variedade de mídias para pesquisar (localizar, avaliar e coletar novas informações), comunicar informações e ideias (relatar resultados), efetuar registros diversos e dar vazão a criatividade (na solução de problemas e tomada de decisões);  envolver o aluno por todos os meios possíveis: pela experiência, pelo som, pela imagem, pela representação/simulação,  pela multimídia, pela interação presencial e virtual são procedimentos necessários neste novo milênio.
         A escola, portanto, deve cumprir seu papel de formadora do novo cidadão e, para isso, não dispensar a colaboração que os meios de comunicação podem dar. O professor deve levar ao aluno a compreender o sentido implícito e explícito das informações oferecidas pela mídia, contribuindo para formação de um receptor ativo, seletivo e autônomo em relação aos sentidos originais das mensagens midiáticas, reconstruindo seu próprio significado.
         Conclui-se esta reflexão  com as palavras de um dos mais importantes pesquisadores de educação e pedagogia do século XX, Jean Piaget:

        
A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram.  Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe. (Jean Piaget).

        
         Portanto, para ter sucesso nessa empreitada,  o  docente deve recorrer a vários recursos tecnológicos em sala de aula, integrar o uso das mídias em suas atividades pedagógicas e ter uma cultura constante de busca, de pesquisa, de leituras.  As políticas públicas educacionais devem continuar voltando sua atenção para formação de professores e concentrado esforços nas políticas de formação em serviço ou continuada com ênfase nas mídias e tecnologias da informação e da comunicação.



Bibliografia
KENSKI, V. M. O Ensino e os Recursos Didáticos em uma Sociedade Cheia de Tecnologias. In: Veiga, I, P. A. (org.) Didática: o ensino e suas relações. Campinas: Papirus, 127-147.
Sociedade da Informação no Brasil. Educação na Sociedade da Informação. In: Livro Verde, cap. 4, set. 2000. http://www.socinfo.org.br/livro_verde/capitulo_4.htm
MEC - Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Relatora: Edla de Araújo Lira Soares, Parecer CNE/CP 009/2001, aprovado em 08/05/2001.




Relato de uma experiência de uso da mídia na educação

         Uma experiência que tem dado certo aqui na escola, é a utilização de recursos tecnológicos em sala de aula, não que eles  substituem os livros, mas são um recurso a mais para inovar, dinamizar o processo de ensino aprendizagem. Os alunos gostam de novidades.
         Os  recursos que utilizo muito  é  a  TV  e  o  aparelho de DVD, o rádio, data shou, lousa digital.  Mas,  semnpre que utilizo esseS recursoS,  tento adequá-los da melhor forma possível,  como sendo mais um meio de aprendizagem, com um objetivo claro do que quero alcançar. O que fica evidente no texto de Silvio Pereira da Costa, é que muitas vezes, alguns professores sebem dos recursos tecnológicos que existem na escola,  mas não sabem como utilizá-los,  ou  utilizam,  mas não tem um objetivo específico do que realmente que atingir no processo ensino-aprendizagem com os tais recursos.  Acredito que a nossa prática pedagógica só fará a diferença, se trabalharmos com todos os recursos disponíveis nas nossas escolas, buscando conhecê-los e utilizarmos com objetivos bem definidos.